2012年11月26日月曜日

Tempo de estudo nas escolas japonesas


Creio que o Japão (e mais recentemente a Coréia) são conhecidos no mundo todo pelo tempo que seus alunos passam estudando. Bem, eu diria: tempo que eles passam dentro da escola, porque nem sempre eles estão estudando. Aliás, creio que quando um brasileiro ouve dizer que uma criança fica na escola de 08:30 às 16:00, ele automaticamente associa isso ao tempo de estudo, pensando que a criança passa o dia todo atrás dos livros didáticos, estudando matemática, japonês, ciências e todas aquelas matérias que já conhecemos. Porém, qual não seria o seu espanto se você visse que os alunos japoneses (não sei dizer os coreanos) não passam o dia todo com livros didáticos.     
  O que acontece é que eles têm muitas atividades que, aqui são consideradas estudo ou parte dele e, as quais, de repente, no Brasil, não seriam consideradas estudo. Uma matéria que os alunos japoneses têm é a caligrafia. (shousha), onde aprendem técnicas de shodou (caligrafia tradicional japonesa), que aliás, é uma belíssima arte aqui no Japão, China, Coréia e outros países onde os ideogramas chineses ainda são utilizados.
   
  Eles também têm outras atividades, como estudos gerais (sougou gakushuu), onde o tema é livre e eles podem estudar o que quiserem, a matéria que mais gostam. Aliás, esta matéria foi inserida no currículo das escolas japonesas há menos de 10 anos, se não me engano. Mas, até agora ninguém entendeu para o que que serve.
Outro dia fui numa aula desse tal sougou gakushuu e fiquei pasma por 3 motivos:
  1 – Crianças de 8 anos estudando sozinhas, sem ninguem ficar no pé.
  2- Outras crianças, da mesma classe, não fazendo absolutamente nada sem ser bagunça e ainda atrapalhando os colegas.
   3- E a atitude passiva do professor, que não os repreendia em absolutamente nada.
  Inconformada, ainda perguntei pra uma aluna: -“Ei, você não deveria estar estudando agora?”
  Adivinha o que ela disse? – “Sim, mas não tô. Não tô a fim”.
  Como eu não sou a professora da turma e só vou lá de visita, não há nada que eu possa fazer, a não ser ficar pasma.
   Além de estas e outras atividades, os alunos têm uma série de eventos durante o ano e, muitas vezes, os horários de aula acabam virando horário de ensaio. Recentemente tivemos um festival na cidade e, como os alunos iam participar o desfile, além da banda da escola, eles passaram muitas horas ensaiando. Eu chegava lá para dar aula e, cadê meus alunos? Ensaiando no pátio a escola.
 
   Outra atividade que toma muito tempo deles e o Undoukai (gincana esportiva) e, no ginásio, o Taiikusai (Torneio Esportivo), além de festivais culturais, como Bunkasai e outros. Ou seja, eles não ficam só sentados estudando e escrevendo. Eles tem muitas atividades, as quais, muitas, considero extremamente desnecessárias. Mas, eles fazem isso há séculos e, mesmo vendo que hoje o mundo mudou e precisamos de outro tipo de alunos, eles continuam insistindo no seu método antiquado.
 Até meados da década de 90, os alunos japoneses também tinham aulas aos sábados. Hoje, isso não existe mais, o que ainda gera muita discussão. Na verdade, foi uma medida do governo não só para tirar um pouco a carga dos alunos, mas principalmente, para que eles passassem mais tempo com os pais em casa. Mas, quem disse que adiantou alguma coisa??? O que os pais fizeram?? Mandaram as crianças para cursinhos estilo juku (curso de reforço) e outras atividades, como piano, natação, inglês, artes marciais, etc.
  
  Já os estudantes do ginásio, mal tem os fins de semana livres, pois estão sempre envolvidos em atividades do Bukatsu (atividades extra-classe). Se participam de algum Bukatsu esportivo, então! Por isso é muito comum você sair para passear nos fins de semana, pegar um trem e ver o trem lotado de estudantes com seus tacos de beisebol, armas de kendou, raquetes de tênis, etc. E, eles passam o dia todo fora. São muitos os torneios e campeonatos municipais e regionais.

   Agora, pegando um pouco mais pesado, outro dia li uma tese de um japonês (pasmem!), que criticava muito o sistema escolar aqui, dizendo que tudo que acontecia nas escolas já era uma preparação para quando eles crescessem e fosse trabalhar em fábricas e empresas. Essa coisa de se incentivar o tal do gaman, (aguentar tudo sem reclamar) por exemplo, na opinião dele, seria apenas uma espécie de lavagem cerebral, onde os alunos aprenderiam desde cedo que deveriam obedecer apenasm aguentar tudo sem jamais reclamar nada. Assim, quando chegassem na fase adulta e tivessem que entrar nas empresas, seria fácil colocá-los para fazer longas jornadas de trabalho, como de 08:00 às 22:00 e, fazer com que vivessem pela empresa ou fábrica.
   Para ser sincera, eu já tinha percebido isso há muito tempo. Porém, como sou estrangeira e ocidental, eu penso de forma diferente dos japoneses em muitos assuntos. E, quando você estuda para ser professor, você tem uma abordagem da Educação completamenre diferente da que eles têm aqui. Então, muitas vezes achei que fosse “coisa da minha cabeça ocidentalizada”. Mas, após ler os artigos escritos por aquele japonês, eu tive certeza que estava na linha correta de pensamento. Ocidental ou não. Porém, lógico e realista.
  E você? O que pensa a respeito? O que acha dessas atividades nos fins de semana? Acha que são boas para as crianças ou as fazem cada vez mais ficar distantes dos pais?
Acha que o sistema japonês ajuda ou atrapalha na formação do caráter da criança? Deixe seu comentário aqui para podermos saber sua opinião a respeito. 
Um abraço e até a próxima.
 

11 件のコメント:

  1. Eu acho assim, tipo, eles parecem robôs, não tem liberdade de expressão, são constantemente humilhados,parece que eles não descansam, não tem diálogo com os pais, e quando tem estão levando broncas.Os pais fazem muita pressão nos filhos,mandam para cursinho. Eles ficam praticamente o dia inteiro na escola estudando, depois ainda tem que estudar mais ainda.Caro amigo, isso não é vida que se leve não. O ensino e educação são coisas maravilhosas, mas eles exageram muito não acha?! Igual aqui no brasil,as escolas são meio turno, você vai com que quiser(tênis,pulseira,cabelo) a unica coisa que pedem é o uniforme(algumas escolas só a blusa da escola e calça jeans ou uniforme completo). Mas o ensino não é tal coisa. As escolas japonesas parecem o exército, credo! Gosto muito do japão e da sua cultura, mas essa é uma das coisas que me deixa inconformada!

    返信削除
  2. 返信
    1. Acredito que quando realizamos uma atividade pelo qual realmente desejamos, não interessa a quantidade de tempo que vamos permanecer sobre ela. Um grande exemplo é o de Bill Gates que, em reportagem, afirmara que dormia de roupa, pois não tinha tempo para nada. Queria exclusividade absoluta em seus trabalhos e dedicação máxima.

      Agora, como muitos acham espantoso o que acontece com os coreanos, que até onde sei, os professores são pop star's e até milionários vendendo seus materiais de educação. Estudar por estudar, sem prazer nenhum, não faz sentido. Duvido que a grande maioria na Coréia estude por prazer e satisfação sobre o objeto.

      Tenho certeza que é decorrente de uma cultura massificada sobre a égide do esforço. Aposto que eles mesmos não acreditam que estudar é uma coisa boa. De modo que vão "para cima" dos livros em busca de recompensa. Mas não é assim que se desenvolveram as grandes mentes pensantes e geniais.

      Duvido que gênios da filosofia, literatura, física, Medicina, etc., se desenvolveram a base deste sistema opressor que domina no oriente. Duvido que alguém seja o melhor pianista do mundo por causa dos rigores que a família impõe sobre uma criança. A música será muito triste.

      Frederico H.Henkel

      削除
  3. Bom é no Brasil onde alunos brigam entre si o tempo todo; marcam nas saídas da escola; ameaçam colegas; ameçam professores e funcionários; levam armas; usam drogas e se não bastasse agora, também, fazem sexo.

    Sua opinião é extremamente ridícula. A Educação no Japão é praticamente perfeita, pode ter seus excessos, mas antes estudar demais que ficar vagabundando como hoje os jovens no Brasil ficam.

    Ah! Não poderia ressaltar esta tua visão patética em querer levar a visão do método patético brasileiro para um país culturalmente MUITO superior a carniça do Brasil.

    返信削除
    返信
    1. 👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍

      削除
  4. Tem muitas coisas boas que poderiam ser implementadas nas Escolas aqui no Brasil. Eu gostaria que tivesse uma Escola do ensino básico do tipo japonês, com aulas de bons costumes, culinária e atividades domésticas.

    返信削除
  5. Melhor do que aqui no Brasil!

    返信削除
  6. Nossa e por tudo isso eles são o 2º país no ranking da educação. terceira maior economia do mundo, um lugar onde as pessoas respeitam umas as outras, onde não se vê um papel da bala na rua, onde a tecnologia é acessível a todos. Enquanto o Brasil está entre os últimos em educação, os alunos são mal educados, não gostam de estudar, agridem os professores (verbalmente e fisicamente). O resultado disso é um povo completamente ignorante que não conhece nem a história do seu próprio país, que mal sabe interpretar um texto, que vota sempre nos mesmos corruptos. O Brasil tem muito o que aprender com o Japão.

    返信削除
    返信
    1. Falou tudo!👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍👍

      削除
  7. Bom ver uma criança de oito anos sem fazer nada na escola e ainda dizer "que não está a fim" NÃO É NADA, comparado a um 80% de alunos de 13 a 16 anos em uma sala de aula sem fazer ABSOLUTAMENTE NADA além de bater papo com os colegas (sempre tentando socializar) como acontece no Brasil.

    返信削除
  8. Opinião de um estudante de psicologia.

    返信削除